Conto de todos os cantos: Gracinha Dias


Gracinha sorri para a câmera. Ela usa uma blusa azul marinho.
Dona Gracinha em sua casa. Créditos: Teatro da Pedra

Jeceabense com muito orgulho, Maria das Graças Dias ou Gracinha é quitandeira no município de Jeceaba/MG. Filha de Maria Cândida e Bravo Antônio Dias, já assumiu diferentes cargos na cidade onde foi criada e constitui sua família.


Dona Gracinha tem boas memórias da infância, época em que aprendeu a fazer quitandas observando sua mãe: bolos, pães, roscas, salgados, pão de queijo… A lista de receitas é extensa e o resultado de cada uma delas é uma delícia.


Confira a entrevista feita pelos arte-educadores Ana Malta, Priscila Mathilde e Gustavo Rosário com Gracinha e conheça mais sobre sua história. Siga a leitura!


Dois pratos, um com empadinhas e outro com um pedaço de rosca cortada.
Empadinhas e rosca feitas por Gracinha. Créditos: Teatro da Pedra

Como a senhora aprendeu a fazer quitandas?

As coisas que a gente vive na infância deixam marcas. Sou de uma família numerosa, tinha 12 irmãos. Meu pai nunca teve um emprego na cidade, ele era trabalhador rural e tinha os próprios terrenos. Desde pequenos, ele nos criou com este trabalho.


Plantava-se muito, a gente tinha abundância de frutas, tinha umas vaquinhas, das quais a gente tirava leite, e a minha mãe fazia queijo, doces e bolos. Nessa vida rural, tudo o que a gente comia era feito ou colhido lá.


Minha mãe tirava um dia no final de semana para fazer as quitandas, porque a gente não tinha dinheiro para comprar o pão. Então, ela fazia biscoito de polvilho, rosca da rainha e várias outras qualidades de quitandas: enchia as latas para guardar e comer durante a semana, e uma outra parte era vendida. Com esse dinheiro, ela comprava roupas e outras coisas.


Ela também fazia muito doce de fruta e, inclusive, teve uma época que ela fazia e vendia goiabada. Até hoje não posso ver goiaba no pé que já quero fazer goiabada!

Gracinha cortando um pedaço de rosca.
Rosca doce feita por Gracinha para os arte-educadores. Créditos: Teatro da Pedra

Quais memórias a senhora tem da infância, Dona Gracinha?

Outro dia eu estava lembrando de algumas coisas com os meus meninos… Quanta mudança aconteceu desde aquela época da minha infância. A gente andava descalço, não tinha dinheiro para comprar sapato, usava vestido de chita, mas era uma fartura muito grande, tanto de frutas quanto de coisas que minha mãe preparava.


Isso de gostar de estar na cozinha fazendo as coisas vem dessa época, vem de ver minha mãe fazer. Não aprendi o que eu sei fazer hoje com ela, porque ela era uma pessoa muito atarefada e não tinha tempo para ensinar. A princípio, como eu era a mais nova das irmãs, sobrava pouco serviço para mim. Mas quando ela ficou mais velha, eu comecei a fazer. Nessa época, eu já trabalhava na Companhia Paulista de Ferro Ligas e fazia as quitandas, mas nem sabia se ficava tão bom assim.


E quando passou a se dedicar exclusivamente a ser quitandeira?

Depois de me aposentar. Se aposentar é complicado porque, se você não tiver uma cabeça boa, fica se sentindo inútil. A sensação que fica não é agradável, a gente sente como se fosse um zero à esquerda. Então, a gente tem que procurar uma atividade e eu me dediquei à cozinha, fazendo coisas o dia inteiro.


Na época do festival de Quitandas de Congonhas, eu participava e levava um monte de coisas. Mas não é algo que dá lucro financeiro, sabe? O lucro que a gente tem é ficar com a cabeça boa, é um bom momento que você vive.


Gracinha corta um pedaço de rosca ao lado de uma garrafa de café na cozinha de sua casa.
Gracinha na cozinha onde prepara as quitandas. Créditos: Teatro da Pedra

A senhora nasceu em Jeceaba?

Sou nascida e criada em Jeceaba. Nasci aqui mas uma boa parte da minha vida eu passei em BH. A única faculdade que tinha na região na época era a de Direito em Lafaiete. Então, fiz direito, não por gosto, mas porque era um curso bom e que me acrescentou uma série de conhecimentos.


Além disso, quando meus filhos eram pequenos, a escola de Jeceaba era fraca, então nós fomos para Belo Horizonte, para eles estudarem, e eu também fiz o segundo grau lá. Sempre fui, mas sempre voltei.


Como a senhora é conhecida na cidade?

Pelo fato da minha família ser numerosa, todas as pessoas mais antigas da cidade me conhecem. Tem gente que me chama de “Gracinha do Nho", que era meu pai. Também dizem “Gracinha irmã do Manel”, “Gracinha mãe do Samuel”.


E antes de me aposentar, trabalhei em muita coisa em Jeceaba. Fui professora durante dez anos, dando aula de Contabilidade e Direito. Depois, trabalhei cinco anos no antigo Banco do Estado de Minas Gerais (BEMGE) e fui vereadora. Então todo mundo me conhece!

O Conto de todos os cantos sobre Jeceaba é patrocinado pela Vallourec via Conselho Municipal da Criança e do Adolescente de Jeceaba (CDMCA).


45 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo